NO GRAU

PICO DA BANDEIRA, UMA AVENTURA GELADA

Fui até lá pela primeira vez em 2005, e no ano seguinte levei a Marina. Desde então só deixamos de ir em um ano, totalizando 5 subidas para mim e 4 para ela. Dessas, a primeira e a segunda foram a noite, a terceira também, mas por causa da chuva, não chegamos ao final. Nos 3 primeiros anos ficamos acampados e nos 2 últimos em pousadas na cidade de Alto Caparaó.
Porque voltar tantas vezes ao mesmo lugar? Simples, porque a aventura é fantástica, o visual é lindo e a sensação de estar lá, indescritível.

Por do Sol na trilha até o Pico da Bandeira

A Cidade

Alto Caparaó é uma cidade pequena, no estado de Minhas Gerais, possui cerca de 6.000 habitantes e fica a 997 metros de altitude. A população é muito receptiva, e vivem basicamente de turismo, comércio e agricultura. Para todo lado que olhamos avistamos lindas montanhas e encontramos cachoeiras e riachos de águas cristalinas, indico especialmente lugares como a Cachoeira das Andorinhas e o Vale Encantado. É lá que fica o portal mineiro do Parque Estadual do Caparaó.

A bela Igreja Adventista, emoldurada por um belo jardim e as montanhas ao fundo

Um riacho de águas cristalinas corta a cidade de Alto Caparaó


A Tronqueira

A diferença de Altitude entre a cidade de Alto Caparaó e a Tronqueira são 1.000 metros, subida que pode ser feita de carro. O Parque tem jipeiros credenciados, que cobram pelo serviço de transporte, levando e trazendo os turistas. Nós sempre usamos esse serviço, mas alguns preferem fazer esse percurso a pé. A estrada é agradável, mas bastante íngreme, então sugiro a quem pretende ir até o pico que economize energia e suba de carro.

O Jipeiro, simpático e prestativo, nos cobrou 100 reais para nos levar de manhã e buscar a tarde. Lotação máxima de 5 passageiros.

A Tronqueira tem área de camping com mesas, banheiros e pias, um mirante onde a vista é belíssima, estacionamento e posto de guarda. Além disso ali perto estão a Cachoeira Bonita e o Vale Encantado. É onde a maioria dos capistas montam suas barracas, já que a partir dali só dá para seguir a pé ou nos burrinhos.

A vista do mirante pela manhã, um mar de nuvens

A mesma vista no final da tarde. Quando as nuvens dão uma trégua dá para ver um belo vale, e a cidade de Alto Caparaó.

Distancias a percorrer, a partir da Tronqueira

O Terreirão

O Terreirão é a segunda área de camping do Parque, fica a 3,7 km da Tronqueira, tem banheiros, mesas, latões de lixo, posto de guarda, casas de alvenaria que são alugadas a turistas e a famosa Casa de Pedra, abrigo para o qual muitos correm para tentar fugir do frio. Poucos acampam lá, pois além das dificuldades impostas pela subida, o frio é muito grande. Já peguei 5 graus lá, fora o vento cortante, mas pode ir muito abaixo disso. Quem quiser pagar, é o ponto limite até onde os burrinhos vão. Quem sobe a noite fica encolhido por ali até por volta das 3 da madrugada, para chegar ao topo o mais próximo possível a hora do nascer do sol, já que ficar esperando lá em cima é péssimo negócio.

A famosa Casa de Pedra, a área de camping, e lá no fundão, a casa para turistas e o banheiro

Os burrinhos, sipáticos e trabalhadores, até que estão gordinhos

Chegando Lá

A Partir do Terreirão são “apenas” 3.2 km de subida por trilhas que fazem qualquer um sofrer e também é a parte onde existe maior risco de se perder. Todo o caminho é marcado por setas amarelas pintadas nas pedras, mas a paisagem é sempre muito parecida e são muitas as trilhas, que às vezes não levam a lugar nenhum. Na minha primeira subida ficamos por mais de uma hora perdidos, e estávamos indo com colegas experientes. Nessa última por algumas vezes entrei pela trilha errada, corrigindo logo depois. Isso me fez crer que poucos podem dizer que realmente conhecem o caminho.

Procure sempre pelas marcas amarelas

Outro problema sério da subida é que em quase todo o percurso passamos por pequenas nascentes, que se por um lado deixam o visual mais belo e não nos deixa sem água, por outro apagam as marcas, tornam o terreno escorregadio e nos expõe ao risco de nos molharmos. Em um clima de temperatura negativa e ventos cortantes podem acreditar, um tênis ou uma bunda molhada podem ser a diferença entre conseguir ou não chegar lá.

Terreno molhado, cuidado para manter os pés e roupas sempre secos.

Por todo o percurso temos que conviver também com o choque de temperatura. Quando subimos a noite, nos vestimos com várias calças, camisas e casacos para resistir ao frio. A questão é que a medida que caminhamos e subimos o corpo aquece e transpiramos, chegando inclusive a sentir calor. Aí paramos para descansar e o suor que nosso corpo gerou para nos refrigerar acaba que quase nos congela, especialmente quando sopra o vento gelado daquelas altitudes. O paredão de pedra antes de chegarmos ao Pico, propriamente dito, é a parte mais difícil da subida, por ser muito íngreme, ter muitas pedras soltas, vento forte e lugares onde é preciso praticamente escalar. É olhar para ele e pensar “tão perto e tão longe”.

Faltando sofridos 200 metros, estava me sentindo confortavel de camiseta.

A trilha é toda de subida entre pedras, de fazer muita gente pensar em desistir, mesmo que a poucos metros do objetivo.


O Pico da Bandeira

Chegar lá em cima é fantástico, mesmo para quem já foi várias vezes. O mar de nuvens, o sol, a vista… e aquela sensação de “eu consegui”. Da primeira vez em que fui lá mal acreditei, e ainda tive a oportunidade de ver aquele sol lindo nascer, mesmo que ele mal nos esquentasse, mesmo que estivesse tremendo de frio, ver aquilo recarregou minhas baterias. Infelizmente não dá para ficar muito tempo, o mínimo que já peguei lá foi 0 graus mas pode ser muito menos, e o vento gelado soprando a toda na altitude de 2890 metros. Então é tirar todas as fotos possíveis, comer alguma coisa e vazar dali.

Poucos minutos, e poucos metros antes, eu estava apenas de camiseta. Depois, com duas blusas de moleton forradas, gorro e luva, tremia de frio, tentando fazer pose para as fotos. E o relógio marcava 14 horas.

Dessa vez as nuvens não nos deixaram ver muita coisa, mas chegar lá é sempre emocionante.

O vento estava machucando e todo mundo só queria saber de procurar um cantinho entre as pedras para se esconder.

A Descida

Para quem diz que para descer todo santo ajuda nunca foi ao Pico da Bandeira. A descida é muito sofrida, pois cada passo precisa ser medido pois é muito fácil cair. Os joelhos e as pontas dos pés sofrem com o impacto e o cansaço sobra seu preço. Saímos da Tronqueira por volta das 8 da manhã e chegamos de volta as 17 horas em ponto. Fomos e voltamos em um ritmo regular, e ainda assim foram aproximadamente 9 horas de percurso total.

Na volta, quase chegando na Tronqueira, com joelhos e pés doendo e muita pedra ainda para pisar, eis que o céu nos dá um presente. Lindo pôr do sol.

Os Perigos

É sem sombra de dúvidas uma aventura que recomendo a todos, mas que tem os seus perigos. Há casos de pessoas que se perderam lá e morreram de hipotermia, e também casos de gente que despencou e morreu ou se machucou feio e teve que ser resgatado de helicóptero. Na subida esse ano encontramos uma menininha de 9 anos, que chegou quase lá, e uma senhorinha de 59 anos que saiu conosco e chegou lá antes, tomou até um tombo no caminho, mas não se abalou. Um burrinho teve que buscar um burrão que bebeu demais e machucou o tornozelo no primeiro buraco que achou depois do Terreirão. Teve um senhor que teve um ataque cardíaco lá em cima, e os brigadistas o buscara de maca. Mas também tem muita, muita gente, que sobe, que sofre, que adora, que fica maravilhado e que volta sempre, como nós. Que curte o visual e a aventura e que morre de saudades daquele lugar.

Essa senhora saiu da Tronqueira conosco, chegou lá antes, e na descida ainda tirou onda com as meninas que nos acompanhavam, quase morriam tentando chegar lá.

Essa gatinha mineira aí nos acompanhou com a mãe e o pai. Ela não queria ir até o topo, o pai a convenceu, mas ela chegou numa boa.


Dicas

Para quem quiser subir o Pico da Bandeira primeiramente precisa estar saudável, e se for sedentário, recomendo alguns meses antes começar a fazer exercícios regularmente, ao menos caminhadas. Conversar com quem já foi também é importante. Levar muitos agasalhos, duas lanternas e pilhas reservas, especialmente se for a noite, mas mesmo se for durante o dia. Nunca deixem de levar comida, é uma caminhada que consome muita energia e seu corpo precisa estar abastecido. Vá sóbrio, esteja sempre muito atento e de preferencia suba sempre com alguém mais experiente. O calçado deve ser leve, confortável, ter boa aderência e amortecimento. Se comprar um tênis novo para a subida, comece a usá-lo algumas semanas antes, e não compre nada muito caro, porque ele vai voltar bastante surrado. As condições são bastante rigorosas.

E aí vocês me dizem “poxa, você falou tanto nas dificuldades que me desanimou…”, é que fica difícil descrever o tanto que vale a pena ir lá. O que eu posso fazer é mostrar algumas fotos, e dizer que não consigo enjoar do visual daquele lugar. :)

Eu volto, talvez não seja ano que vem, mas eu volto. :D

12 Comentários

  1. Marina Thebaldi Marina Thebaldi
    14 de junho de 2010    

    Esse passeio é sempre fantástico. Por isso voltamos. É uma super aventura. Apesar do frio e do cansaço, vale a pena! :)

  2. hery hery
    15 de junho de 2010    

    É isso aí casal Calimam, aventura esta no sangue, muito legal seu relato, valeu pelas dicas. Vamos marcar um pedal na região qualquer dia desses… Abraço.

  3. gilmançiãoi gilmançiãoi
    16 de junho de 2010    

    tenho 5.2 o bom disso é que vai acumulando pontos no cantinho da cachola ,e com o tempo, laaaaa na frente, vai nos dando uma outra visão de mundo a gente cresce muito com isso, meus parabens caliman e marina v/cs estão em todas thau. até breve

  4. Marina Thebaldi Marina Thebaldi
    16 de junho de 2010    

    Oi Gilmancião, lembra que falei que iria trazer um chapéu pra você, igual ao que estava usando no dia da remada? Foi você, né? Então, ele tá aqui em casa. Comprei um camuflado.
    :P
    Valeeeu!

  5. marcelle marcelle
    4 de julho de 2010    

    oi!sou adventista e estou me preparando para subir lá dia31 deste mês com a caravana do leader adventure.estou muito animada.mas apesar de suas dicas foram muito importantes ,colocou um pouco de medo pois estou a três meses sem fazer caminhada.mas valeu.queria algumas fotos suas para mostrar a galera e tentar aumentar o grupo.se quiser me mandar fotos de paisagens de lá, ficaria feliz.
    abraços galerafoi legal conhecê-los.

  6. Caliman Caliman
    4 de julho de 2010    

    Marcelle, você tem orkut? Se tiver, procure por Marina Thebaldi lá, é minha mulher, ela postou muitas fotos, se não tiver me diz que eu te mando as fotos por email, ou posto no picasa.

  7. Jorge Natureza Jorge Natureza
    10 de dezembro de 2010    

    Eu ja fui ao pico da Bandeira 9 vezes e em cada subida me deparo com um extraordinario quadro que a natureza oferece.Ja tive a maravilhosa oportunidade de ver o por do sol e o deslumbrante raiar do dia, ja tive uma espetacular noite de lau cheia no inverno acampado no terreirao,ja aguentei temperatura abaixo de zero grau,mas tenho quase certeza que muitas surpresas fantasticas me aguardam.Em julho de 2011 estarei novamente la.

  8. Jorge Natureza Jorge Natureza
    10 de dezembro de 2010    

    Quem ja teve a oportunidade de visitar o parque do caparao e desfrutar das maravilhosas paisagens passa de fato a acretitar que DEUS existe.

  9. Sonia Deascanio Sonia Deascanio
    10 de junho de 2013    

    Nunca tive vontade de ir ao Pico, sou friorenta demais e acho que não suportaria o frio mas, a um ano atraz conheci meu namorado que já foi e amou, desde então fica insistindo pra eu ir, ganhei coragem e vou no próximo sábado dia 15/06/13 estou hiper animada porém assustada com seu depoimento, mas tenho motivo de sobra pra estar animada vamos nos casar lá…pedir as bênçãos de Deus naquele lugar paradísico e todo o sofrimento da subida valerá a pena…

  10. Caliman Caliman
    10 de junho de 2013    

    Sonia, não perca a oportunidade. É frio sim, mas também é bonito demais, um lugar inesquecível.

  11. Andre Andre
    14 de julho de 2014    

    Quais os melhores meses para fazer a subida? Não gostaria de pegar chuva.

  12. Lilia Lilia
    19 de junho de 2017    

    Estou planejando de ir o mes q vem… Porem nao gosto muito de frio.. E dou um pouco sedentaria. . tenho medo de nao conseguir. . e ainfa vou levar meu filho de 12 anos.. Sera q conseguimos? ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Livro de Visitas

  • Caliman / 12 de julho de 2016:
    Testando livro de visitas. »

Strava – Pedala Colatina

Álbuns de Fotos

Jeritiba Rosa
Pedal de domingo em Santa Teresa - 17/05/2015
Passeio em Búzios de Bike

Parceiros

Calendário de Eventos

  • No upcoming events
AEC v1.0.4

Enquete