Relato de Jailson (SPEED)…

Eram 5.45 da manhã deste dia tão especial e já me deslocava para a praça no centro de Colatina, lá encontrei Marcos Bertolo (Kaneko) e o dia prometia. Foi se juntando a nós, Cláudio Abelo (Cabelo), Gustavo Signhoreli, Marco Pina e Werlon Zaché e Gilberto (Beto).
Nossa proposta de pedal, seria o seguinte trajeto, Colatina até Santa Teresa e por lá iríamos fazer nossa primeira parada e juntar o grupo novamente, seguindo por Fundão e passando por “dentro” até Praia Grande, isto daria 130 km aproximadamente.

E como programado, exatamente as 6h da manhã, ainda escuro e com jeito de chuva partimos a nossa “empreitada”, já na saída de Colatina próximo a Cerâmica Gatti um grupeto formado por Jailson, Marcos Pina, Gustavo Signhoreli e Marcos Bertolo (Kaneko), abriu certa distância dos demais que seguiu assim até Santa Teresa, uma diferença de quase uma hora, na subida do Canaã, Pina para não esfriar, resolve descer mais uma vez e buscar o último, mostrando seu condicionamento.

Neste dia também nos acompanharam de mtb Tonin e Adailton, com muita garra e coragem ficaram conosco e depois retornaram para Colatina.

Ficamos 1 hora parados em Santa Teresa, aguardando todos chegarem, nos alimentar e repor com água e barras de cereais. Este dia foi muito especial, pois um grande amigo de pedal “das antigas”, iria se juntar a nós, Luciano Bregonci “Perna”, iria seguir caminho conosco, uma novidade mais que espetacular, é muito bom rever velhos amigos, na nova empreitada de pedalar.

Marcos Bertolo, não fez a parada, alegando se parasse esfriaria e “morreria” no pedal e seguiu adiante só, Gustavo Signhoreli nos esperou em Fundão.

É bom lembrar que neste dia durante o pedal até Santa Teresa, pegamos uma chuva e obviamente o frio veio até nós, uma altimetria bem diferenciada e novos desafios foram colocados. A subida do Cannaã é para mim uma experiência maravilhosa, gosto muito daquela Serra, muitos amedrontam, mas a verdade é que ela é linda, durante a subida é o momento onde realizo minhas orações, minha conversa com o Criador, e me coloco com humildade sobre este planeta maravilhoso. Adoro ir de bike à Santa Teresa, é sublime.

Seguimos juntos na saída de Santa Teresa, rumo a Fundão, mas novamente abrimos certa distância em relação ao segundo grupo, Eu, Pina e Luciano, seguimos direto nas decidas alucinantes de Santa Teresa via Fundão, com velocidade acima de 86 Km por hora, loucura para uma bike com pneus finos, assustador principalmente quando em uma curva perdi a tangente e quase deu “zica”. Decidimos não parar em Fundão e reagrupar com Cláudio Abelo, Gilberto “Beto” e Werlon Zaché, pois o Sol nessa parte do trajeto já estava machucando. Seguimos então, Marcos Pina, Luciano Perna e Gustavo Signhoreli direto à Praia Grande.

Esta última parte foi a mais dolorida do trajeto em minha opinião, um percurso de aproximadamente 40 km, mas com muito sobe e desce, uma quebra de giro monumental e vento contra, sem contar com um Sol matador. Muita água, malto, gel, bananas, nozes e as pernas doíam de matar, os primeiros 10 km para mim foram tensos.
E a cada pedalada pensava o quanto tenho que melhorar meu pedal.

Quando Pina, Signhoreli e Perna abriram uns 700 metros minha vontade era de gritar, xingar, fazer qualquer coisa, a raiva era em não me conformar em ficar para trás, mas aos poucos as forças foram voltando e voltei à roda, e seguimos juntos.

Para ajudar o “enterro” Pina dava umas puxadas a mais de 40 km por hora…eu para não desgrudar, usava as últimas reservas de força para ficar “na roda”, pois sabia de se desgrudasse não voltaria mais…e a coisa ficaria pior, muito pior.

E desta forma fomos seguindo sobre um sol monstruoso, cansaço e dores nas pernas…mas cumprimos com nosso objetivo.
Todo o percurso foram feitos em 5 horas pedaladas, deu 6 horas pois aquela 1 hora em Santa Teresa foi contada. Chegamos às 12 horas na casa do anfitrião Jacyr Rebonato que abriu as portas de sua casa a mais de 30 ciclistas, contando com os mtbikers. Cláudio Abelo, Zaché e Beto chegarão as 13.30 horas, ainda mais desgastados do que nós pelo sol, que não alisava.
Um belo churrasco, com acompanhamentos e suco de uva (no meu caso) refrigerantes e cerveja pra quem aprecia, estavam disponíveis a todos.
Uma linda confraternização, uma reunião de amigos, família e irmãos, pessoas de coração alegre e vivente. Uma linda forma de se passar o domingo.
A logística de Herivelton foi perfeita, como sempre, o presidente do grupo No Grau° está de parabéns. Novamente por esta bela organização em mais um maravilhoso evento.

Devo dizer, este pedal está entre os mais sofridos da minha vida.
Entretanto um sabor de quero mais sempre me vem à cabeça.
Este pedal gerou em mim um sentimento ainda maior e melhor sobre a bike, o mundo que gira em torno dela e as pessoas envolvidas nela.
Andar de bike é mais do que sentar sobre uma bicicleta e empurrar a perna para baixo, é olhar ao horizonte e ver a imensidão de nosso mundo, de nosso coração e de nosso irmão. Ver quanto podemos melhorar como pessoas, como pais, filhos, maridos, irmãos e amigos.
Agradeço a todo o momento a Deus por ter amigos e ser amigo desta turma que a cada dia aumenta.

Pedalar é minha maneira de dizer Obrigado Senhor, por tudo. Obrigado a todos.

Que venham outros, disposição é o que não falta, pode faltar, pulmão e perna…

 

 

MTB

Pedalada Ibiraçu – ES a Praia Grande (Fundão) – ES

Foi um gostoso passeio de inicio de ano, o primeiro em equipe para abrirmos com chave de ouro 2012. Realizado junto com os SPEEDEROS, teve por objetivo a confraternização dos membros e amigos da Equipe de Aventura NGº,que tem na Bike e caiaque a sua grande paixão.
Baseado na idéia do Jajá (Jailson), por percorrer caminhos já conhecidos e tradicionais do Cicloturismo, passando por Santa Teresa e Fundão, e explorar o novo, de Fundão à Praia Grande (SPEED), nós do MTB optamos por estrada de terra, saímos de Ibiraçu à Praia Grande, via Santa Rosa.

Os participantes obrigatoriamente teve que utilizar todos os equipamentos de segurança, ser auto-suficiente em alimentação e hidratação.
Nesse tipo de evento os ciclistas interagem entre si, nunca permitindo que o companheiro fique sozinho no caminho, ajudando-se mutuamente.
Enfim, uma grande aventura, mas com a exuberância de novos caminhos e bem próximos às cidades da região. Sempre preservando e estimulando o objetivo social do Grupo NG° levando as pessoas que curtem o MTB para um novo desafio.
O ROTEIRO
Calculado em 45 kms (partida Ibiraçu e chegada Praia Grande), com dificuldade média devido à distância programada, passamos por paisagens deslumbrantes, caminhos feitos por estradas de terra em bom estado de conservação e poucos morros (poucos mesmo!) onde a aventura ganhou novas emoções.
Passamos próximo ao rio Praquê-Mirim, já na aldeia indígena de Aracruz. Atravessaremos algumas plantações de eucaliptos e alguns cafezais até atingirmos Santa Rosa, onde foi nosso ponto de encontro com alguns Bikers (doidos) que saíram de Colatina as 3horas da manhã passando pelo trajeto dos SPEEDEROS, se encontraram com Aillan e sua turma de Santa Teresa e pedalando juntos até o patrimônio de Santa Rosa onde já aguardávamos para continuar juntos até Praia Grande.


Após o encontro, já em asfalto, erramos uma entrada e conseqüentemente cortamos um trecho de 5km diminuindo o percurso para 40km, Bola pra frente, chegamos em nosso destino por volta de 12h, onde fomos recebidos por Jacyr Rebonato e nos encontramos com a turma de SPEEDEROS.
O resto vocês já sabem, muita alegria e confraternização, (olha o relato do Jailson)…
Obrigado especial aos bikers de Aracruz (Fabim e sua turma), aos bikers de Santa Teresa ( Aillam e sua Turma) e aos aventureiros de Colatina, principalmente as mulheres (Otila, Jordana e Marina) que foram conosco, e ao lemão da bike e o André da Injecar que nos acompanharam com carros de apoio.
Abraço.


Equipe de aventura NG°